Detecção e identificação de herpesvírus humano por PCR

|BIOLOGIA MOLECULAR|


GENERALIDADES


Os herpesvírus (Herpes simplex 1 e 2, Varicella-zoster, Epstein-Barr vírus, citomegalovírus, herpesvírus tipo 6, 7 e 8) são agentes responsáveis por um amplo espectro de doenças que variam desde quadros assintomáticos até os associados a infecções congênitas e do sistema nervoso central. Em indivíduos imunocomprometidos, a reativação do vírus latente, mais freqüentemente associada ao citomegalovírus (CMV) e ao Epstein-Barr vírus, acarreta quadros clínicos diversos e de maior gravidade.

O Herpes simplex (HVS) e Varicella-zoster (HVZ) estão habitualmente relacionados a meningites e encefalites. Existem evidências que sugerem a participação dos herpesvírus 6 e 7 como cofatores na progressão de infecções oportunistas. O herpesvírus 8, recentemente associado a linfomas e doenças linfoproliferativas em pacientes com AIDS, é o agente causal do sarcoma de kaposis.

As infecções causadas pelos diferentes herpesvírus (HVH) podem ser clinicamente semelhantes entre si e similares a outras infecções. A ocorrência de coinfecção é freqüente.

A disponibilidade de terapia eficiente e específica para cada herpesvírus reforça a necessidade de um diagnóstico rápido do vírus envolvido mesmo antes do início da sintomatologia. Métodos rápidos, altamente sensíveis, específicos e com capacidade de determinar simultaneamente diferentes herpesvírus em diversas amostras clínicas são especialmente úteis em diagnosticar uma infecção primária, em predizer precocemente uma possível reativação por HVH e em monitorizar terapia. Neste contexto, a técnica de PCR (Polymerase Chain Reaction) apresenta vantagens sobre as técnicas convencionais empregadas no diagnóstico laboratorial dos herpesvírus.


METODOLOGIA

As técnicas convencionais como o cultivo viral, a detecção de antígeno (antigenemia para CMV) e a pesquisa de anticorpos específicos apresentam limitações de sensibilidade, especificidade, tempo de execução e custo quando comparados com a PCR.

O quadro a seguir compara os resultados entre a PCR e a combinação do cultivo viral com a imunofluorescência direta (IF) para detecção de HVS1+2, HVZ e CMV em diferentes amostras clínicas de 656 indivíduos suspeitos de infecção por herpesvírus.


Comparação entre a PCR e o cultivo viral e IF para a detecção de HVS1+2, HVZ e CMV.




PCR
Cultivo + /IF +
Cultivo - /IF -
HVS1+2
PCR+
131
38
PCR-
0
487
HVZ
PCR+
22
1
PCR-
0
633
CMV
PCR+
8
14




A sensibilidade da PCR, quando comparada com a combinação do cultivo viral e a IF, foi de 100%. O aumento da detecção com a PCR para o HVS1+2 foi de 30%, para o HVZ de 5% e para o CMV de 175%.

A técnica de PCR utiliza iniciadores (primers) dirigidos a regiões comuns aos representantes do grupo. Um resultado negativo exclui a presença de herpesvírus na amostra clínica.

Amostras com resultado positivo são analisadas através do uso de enzimas de restrição, gerando um padrão distinto para cada HVH.

A técnica possibilita não somente identificar rapidamente o vírus presente (inclusive subtipando o herpesvírus 6 em HVH-6A e HVH-6B) como também determinar a presença de mais de um herpesvírus na amostra analisada.

A alta sensibilidade da PCR (cerca de 10 cópias de DNA) permite a aplicação em diversas amostras clínicas (sangue, líquor, biópsia de tecidos, líquido amniótico, urina e secreções, por exemplo).



CONCLUSÃO


A técnica de PCR tem assumido um importante papel na detecção de agentes virais pelo laboratório clínico, sobretudo pela alta sensibilidade, possibilidade de aplicação em amostras clínicas diversas e rapidez na liberação dos resultados.



RESULTADOS


Os resultados são expressos como negativo ou positivo para o herpesvírus identificado no material analisado.

_______________________________________________________

LEITURAS SUGERIDAS

DRUCE, J. Utility of a multiplex PCR assay for detecting herpesvirus DNA in clinical samples. In: J. Clin. Microbiol. 40(5): 1728-1732, 2002.

GRANT, J. Comprehensive PCR - based assay for detection and species identification of human herpesviruses. In: J. Clin. Microbiol. 38(9): 3274-3279, 2000.
_______________________________________________________

Autores: Vlademir Cantarelli
Contato: vcantarelli@weinmann.com.br

Data: Outubro/2002
_______________________________________________________