Pesquisa de sangue oculto nas fezes

|BIOQUÍMICA|


GENERALIDADES


O câncer colo-retal (CCR), uma das neoplasias mais freqüentes em adultos, é uma doença potencialmente curável se diagnosticada em estágios iniciais. Os testes de triagem, com a finalidade de detectar pequenos sangramentos provenientes de pólipos, precursores assintomáticos pré-cancerígenos, e tumores do cólon, reduzem a incidência do câncer colo-retal. A Sociedade Americana do Câncer (American Cancer Society's- ACS), recomendou, em um workshop realizado em 2003, a pesquisa anual de sangue oculto nas fezes como estratégia de triagem para detecção de pólipos e CCR em indivíduos saudáveis a partir dos 50 anos de idade e em pacientes assintomáticos considerados de risco para câncer colo-retal (história familiar de pólipos ou CCR diagnosticado em parente de primeiro grau antes dos 60 anos de idade ou em mais de um parente em qualquer idade e, presença de doença inflamatória intestinal).


DIAGNÓSTICO LABORATORIAL


A pesquisa de sangue oculto fecal pode ser realizada por dois testes distintos:

Teste do Guáiaco

O Guáiaco é um indicador da presença de substâncias com atividade de peroxidase, como o grupo heme da hemoglobina. A probabilidade de que um teste baseado no Guáiaco seja positivo é proporcional à quantidade de heme fecal, que, por sua vez, está relacionada ao tamanho e à localização da lesão hemorrágica. Alguns fatores contribuem para a variação de eficiência deste teste:

- Detectam níveis de hemoglobina acima de 10 mg/g fezes;

- Resultados falsos negativos têm sido relatados com o uso de ácido ascórbico e antiácidos, na presença pH fecal ácido e pela degradação do grupo heme em porfirina pela flora fecal (sangramento de lesões mais proximais ou fezes pouco recentes) e como conseqüência da liberação intermitente de sangue pelos pólipos ou tumores;

- Resultados falsos positivos ocorrem quando da ingestão de certos alimentos (incluindo algumas frutas, vegetais e carne) e de alguns medicamentos (ferro oral, cimetidina, sucralfato e halogênios) ingeridos antes da realização do teste.

Teste Imunoquímico

Utiliza anticorpos monoclonais direcionados contra epítopos da hemoglobina humana. Este teste apresenta algumas vantagens quando comparado com o teste baseado no Guáiaco:

- É específico para a hemoglobina humana, o que torna desnecessário a restrição ao uso de alguns medicamentos e a recomendação de dieta restritiva prévia à coleta;

- É mais sensível, capaz de detectar níveis de hemoglobina de 0.50 mg /g de fezes. A maior sensibilidade do teste imunoquímico miniminiza a possibilidade de resultados falsos negativos considerando a liberação intermitente de sangue pelos pólipos e tumor.

Independentemente do teste utilizado, a ACS preconiza a pesquisa de sangue oculto fecal em três amostras de fezes em dias consecutivos e a realização de método confirmatório (colonoscopia) para todo paciente com pelo menos uma amostra positiva.


TÉCNICA UTILIZADA E RESULTADOS

A pesquisa de sangue oculto nas fezes é realizada pelo teste do Guáiaco ou pelo teste Imunoquímico. Os resultados são expressos em negativo e positivo. Para o teste do Guáiaco, um resultado positivo é classificado em número de cruzes.


COLETA DA AMOSTRA


Para o teste do Guáiaco, a amostra deve ser coletada após três dias de dieta restritiva de carnes e derivados e alguns vegetais. O teste Imunoquímico dispensa a realização de dieta prévia à coleta.
___________________________________________________________

LEITURAS SUGERIDAS

1) LEVIN, B., et al. Emerging technologies in screening for colorectal cancer. In: CA Cancer J Clin. 53 (1):44-55, 2003.

2) WINAWER, S., et al. Colorectal cancer screening and surveillance: Clinical guidelines and rationale - Update based on new evidence In: Gastroenterology 124(2):544-560, 2003.
___________________________________________________________

Autor: Homero Machado
...........Rafael Failace
Contato: hmachado@weinmann.com.br
..............rfailace@weinmann.com.br

Data: Novembro-Dezembro/2003
___________________________________________________________