Avaliação de kit comercial para Mycoplasma hominis e Ureaplasma urealyticum com relação a identificação e sensibilidade

INTRODUÇÃO

Os generos Mycoplasma e Ureaplasma são colonizantes do trato geniturinário, sobretudo em mulheres, podendo ser comensais ou patogênicos. Algumas espécies como, Mycoplasma hominis e Ureaplasma urealyticum podem ser isoladas do trato genital na maioria dos adultos sexualmente ativos. Muitas vezes são isolados em pessoas assintomáticas, o que leva a dificuldade em aceitar estes microrganismos como patogênicos.

OBJETIVO

Correlacionar a identificação de Ureaplasma spp. por kit comercial Mycoplasma IST (biomérieux) e técnicas de PCR “in house”, e avaliar perfil de sensibilidade destas amostras.

CASUÍSTICA E MÉTODOS

Foram utilizadas 103 amostras sendo, 37 secreções vaginais, 59 secreções endocervicais, 3 secreções uretrais, 2 sem descrição do sitio de coleta, 1 esperma e 1 urina, positivas para Ureaplasma urealyticum, com identificação e perfil de susceptibilidade obtidos pelo kit comercial. Posteriormente foram submetidas a amplificação específica pela PCR fazendo uso de uma técnica “in house”, para posterior comparação dos resultados.

RESULTADOS

O kit comercial ( Figura 1 ) identifica Ureaplasma urealyticum e Mycoplasma hominis. Um total de 103 amostras positivas para Ureaplasma urealyticum foram identificadas pela PCR. Destas, 6,7 % foram positivas para Ureaplasma urealyticum e 82,5 % positivas para Ureaplasma parvum. Em 10,7 % não ocorreu amplificação pela PCR ( Figura 2 ).

Foram submetidas ao teste de sensibilidade 56 amostras; das quais 26,8 % mostraram-se resistentes quando testadas a eritomicina, 23,2% intermediárias e 50,0% sensíveis a este antibiótico, tabela 1.

Eritromicina U.urealyticum U.parvum Negativa
Sensível 2 21 7
Intermediario 0 9 1
Resistente 2 10 4



Figura 1


Figura 2

DISCUSSÃO E CONCLUSÕES


O kit comercial não diferencia as duas espécies reconhecidas de Ureaplasma spp e, portanto, o resultado deve ser reportado com Ureaplasma spp. Não está claro se o número de amostras negativas pela PCR representa problemas com inibição de reação, ou se há resultados falso positivos pela técnica comercial.

Ainda, 50 % das amostras positivas para Ureaplasma spp apresentam perfil intermediário ou resistente quando testadas a eritromicina, em desacordo com a literatura fornecida pelo fabricante do kit. Os resultados obtidos pelo método molecular mostraram que a maioria das amostras são positivas para Ureaplasma parvum, o que pode explicar a divergência dos resultados de sensibilidade sugerido pelo fabricante e os observados na prática.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Naumkina EV, Rudalkov NV, Pakhalkova EV, Temnikova NV, Reshetnikova TA, Berezkina GV,.Ureaplasma urealyticum and Ureaplasma parvum in etiology of urogenital mixt-infections. Zh Mikrobiol Epidemiol Immunobiol. 2006 May-Jun;(3):93-5.

Witt A, Berger A, Gruber CJ, Petricevic L, Apfalter P, Worda C, Husslein P. Increased intrauterine frequency of Ureaplasma urealyticum in women with preterm labor and preterm premature rupture of the membranes and subsequent cesarean delivery. Am J Obstet Gynecol. 2005 Nov;193(5):1663-9. Vogel I, Thorsen P, Hoaan VK, Schieve LA, Jacobsson B, Ferre CD,. The joint effect of vaginal Ureaplasma urealyticum and bacterial vaginosis on adverse pregnancy outcomes. Acta Obstet Gynecol Scand. 2006;85(7):778-85.

AUTORIA

VILLAR,M.,CANTARELLI,V.V.,MACIEL,L.P.,BRODT,T.C.Z.,SECCHI,C.CAVALCANTE,B.C.
Weinmann Laboratório - Porto Alegre,RS
nanavillar@hotmail.com