Estabilidade do PTH em diferentes condições de armazenamento

OBJETIVO

O objetivo deste estudo foi caracterizar o perfil de estabilidade do Hormônio da paratireóide (PTH), em diferentes condições de armazenamento (tempo e temperatura), utilizando o Sistema Roche Elecsys 2010.

CASUÍSTICA E MÉTODOS

Para o estudo utilizou-se amostras de 22 pacientes coletadas com EDTA (3 tubos/paciente). As amostras foram obtidas simulando as condições de rotina. Imediatamente após a centrifugação, uma alíquota foi congelada (valor basal), um tubo foi armazenado de 2-8°C (R) e o restante, armazenado a temperatura ambiente (TA) por 12, 24, 48 e 72 horas. Após os períodos estipulados, uma alíquota de cada amostra foi congelada. As alíquotas foram analisadas na mesma corrida em simplicata e conforme as indicações do fabricante. O coeficiente de variação (CV%) intra-ensaio para um pool de amostras de valor médio de 25,0 pg/mL (n=10) e 69,6 pg/mL (n=10) foi de 6,5% e 5,5% respectivamente; o CV% médio inter-ensaio para os níveis médios de controle (PreciControl Bone) de 54,0 pg/mL e 190,0 pg/mL foram de 5,1% e 4,9% respectivamente. A comparação entre a média do valor basal e as médias das concentrações de PTH, nas diferentes condições, foi realizada através de Teste t pareado (p < 0,05). O resultado de cada condição de armazenamento foi expresso em % de recuperação e em Bias % em relação ao valor basal. Os valores preditos de PTH (y), e seus respectivos intervalos de confiança inferior (LI95%) e superior (LS95%), para as diferentes condições de armazenamento (x) foram calculados, através de análise de regressão linear, para o nível de decisão médica (NDM–65,0 pg/mL). Segundo o fabricante, amostras de plasma são estáveis por 48 horas quando armazenadas de 15-25°C e por 72 horas, quando armazenadas de 2-8 °C. Os dados do estudo foram analisados nos softwares MicrosoftExcel® e MINITAB® 14.

RESULTADOS E CONCLUSÕES

O valor basal médio de PTH foi de 56,3 pg/mL (amplitude 22,3-148,9 pg/mL). Do total, 9/22 tinham valor de PTH superior a 65,0 pg/mL. As tabelas 1 e 2 expressam os resultados obtidos com o estudo. Os gráficos 1 e 2 demonstram o efeito das condições de armazenamento nos valores de PTH comparados com o valor basal e o gráfico 3, os resultados do estudo de recuperação (%). Os dados circulados no gráfico 2 correspondem aos indicados na tabela 3.











Considerando o nível de decisão médica (65,0 pg/mL) como critério de classificação, 5 de 22 (22,7%) das amostras armazenadas a temperatura ambiente por 72 horas (valor basal de PTH entre 69,8 a 84,9 pg/mL) seriam classificadas incorretamente (tabela 3).



Os dados mostram que o aumento no tempo de armazenamento resulta, independententemente das condições de temperatura, em um decréscimo progressivo no valor do PTH. No entanto, as magnitudes das diferenças (exceto para amostras armazenadas por 72h a TA), ainda que estatisticamente significativas, são inferiores à variação analítica para o PTH no sistema Elecsys 2010. Os resultados demonstram que amostras de plasma armazenadas de 2-8°C por 72 h ou a temperatura ambiente por 48 h são aceitáveis para a determinação do PTH no Elecsys 2010, confirmando as indicações do fabricante.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

-HERMSE,D. Multicenter evaluation of a new immunoassay for intact PTH measurement on the elecsys system 2010 and 1010. Clin. Lab. 48(3-4), 2002. - GLENDENNING, P. Parathyroid hormone is more stable in EDTA plasma than in serum. Clin.Chem. 48(5),2002. POSER,B.; ORAVEC,R.; SEADI,C.,HERMES,G. Weinmann Laboratório - Porto Alegre,RS bposer@weinmann.com.br